Papa Francisco: “viver juntos é uma arte”

Viver juntos é uma arte, um caminho paciente, bonito e fasci­nante. Ele não termina quando vos conquistastes um ao outro… Pelo contrário, é precisamente neste momento que ele tem iní­cio! Este caminho de cada dia possui regras que podem ser resumidas naquelas três palavras que tu disseste, palavras que eu já dirigi inúmeras vezes às famílias, e que vós já podeis aprender a utilizar entre vós: com licença, ou seja, “posso”, como tu dissestes, e desculpa.

“Posso, com licença?” É o pedido amável para poder entrar na vida de outra pessoa, com respeito e atenção. É necessário aprender a pedir: posso fazer isto? É do teu agrado, se fizermos assim, que tomemos esta iniciativa, que eduquemos os nossos filhos desta maneira? Gostarias de sair comigo esta noite?… Em síntese, pedir licença significa saber entrar com amabilidade na vida dos outros. Contudo, ouvi bem isto: saber entrar com amabi­lidade na vida dos outros. E não é fácil, isto não é fácil. Por vezes, recorremos a maneiras um pouco pesadas, como determinadas botas de montanha! O amor autêntico não se impõe com aspe­reza nem com agressividade. Nas chamadas Florzinhas de São Francisco encontra-se a seguinte expressão: “Deves saber que a cortesia é uma das propriedades de Deus… e a cortesia é irmã da caridade, a qual extingue o ódio e conserva o amor!” (cap. 37). Sim, a amabilidade conserva o amor. E hoje, no seio das nossas famílias, no nosso mundo muitas vezes violento e arrogante, há necessidade de muito mais amabilidade. E isto pode começar a partir de casa.
“Obrigado!” Parece fácil pronunciar esta palavra, mas sabe­mos que não é assim. No entanto, ela é importante! Nós ensi­namo­-la às crianças, mas depois nós mesmos a esquecemos! A gratidão é um sentimento importante: recordai-vos do Evangelho de Lucas? Certa vez, uma senhora idosa disse­-me em Buenos Aires: “A gratidão é uma flor que cresce em terra nobre!”. É ne­cessária a nobreza da alma para que esta flor possa crescer. Recordai­-vos do Evangelho de Lucas? Jesus cura dez doentes de lepra, e em seguida só um deles volta atrás para agradecer a Jesus. E o Senhor diz-lhe: ‘E onde estão os outros nove?”. Isto é válido também para nós: sabemos agradecer? Nos nossos rela­cionamentos, e amanhã na nossa vida matrimonial é importante manter viva a consciência de que a outra pessoa constitui uma dádiva de Deus, e aos dons de Deus é necessário dizer obrigado! Devemos sempre dar graças por eles. E nesta atitude interior é preciso dizer obrigado um ao outro, por todas as coisas. Não se trata de uma palavra amável para ser utilizada com os estra­nhos, para sermos educados. É necessário saber dizer obrigado um ao outro, para poder caminhar em frente, bem e juntos, na vida matrimonial.
A terceira palavra: “desculpa”. Na vida cometemos numerosos erros, enganamo­nos muitas vezes. E isto acontece com todos nós. Mas aqui está porventura presente alguém que nunca cometeu um erro? Se houver alguém assim, que levante a mão:
uma pessoa que nunca cometeu erros? Todos nós os cometemos. Todos! Talvez não passe nem sequer um só dia sem que os cometamos. A Bíblia recorda que a pessoa mais justa comete sete pecados por dia. Por isso, todos nós cometemos erros… Eis, então, por que motivo é necessário utilizar esta palavra tão simples: “desculpa”. Em geral, cada um de nós está pronto para acusar o nosso próximo, justificando-nos assim a nós mesmos. Isto teve início a partir do nosso pai Adão, quando Deus lhe per­guntou: “Adão, comeste por acaso daquele fruto?”. “Eu? Não! Foi ela que me o deu!”. Acusar o outro para não dizer “desculpa”, “perdão”. Trata­-se de uma história antiga! É um instinto que se encontra na origem de muitas calamidades. Aprendamos a reco­nhecer os nossos erros e a pedir desculpa. “Desculpa, se hoje levantei a minha voz”; “desculpa, se passei sem cumprimentar”; “desculpa, se cheguei atrasado”, “desculpa, se esta semana estive tão silencioso”, “desculpa, se falei demais, sem nunca escutar”; “desculpa, se me esqueci”; “desculpa, se eu estava com raiva e te tratei mal”. Cada dia podemos pedir muitas vezes “desculpa”. É também deste modo que uma família cristã prospera. Todos nós sabemos que não existe uma família perfeita, ou um marido perfeito, ou uma esposa perfeita. Nem sequer falemos de uma sogra perfeita… Existimos nós, pecadores. Jesus, que nos conhece bem, ensina-nos um segredo: nunca devemos terminar o dia sem pedir perdão, sem que a paz volte ao nosso lar, à nossa família. É normal que os esposos discutam, há sempre algo sobre o que discutir. Talvez tenhais discutido entre vós, talvez tenha voado um prato, mas, por favor, recordai-vos disto: nunca termineis o dia sem fazer as pazes! Nunca, nunca, nunca! Este é um segredo, um segredo para conservar o amor e fazer as pazes. Não é necessário fazer um bonito discurso. Por vezes é suficiente um simples gesto… e a paz volta a instaurar-se. Nunca deixeis que termine o dia… pois se tu permitires que termine o dia sem que as pazes se restabeleçam, aquilo que tens dentro de ti, no dia seguinte, será frio e empedernido, e assim será mais difícil fazer as pazes. Recordai bem: nunca termineis o dia sem fazer as pazes! Se aprendermos a pedir desculpa e a perdoar-­nos reciprocamente, o Matrimônio durará e irá em frente. Quando vêm às audiências ou às Santas Missas aqui em Santa Marta, casais idosos, que celebram as bodas de ouro, eu pergunto-lhes: “Quem suportou quem?”. E isto é bonito! Todos olham uns para os outros, depois olham para mim e dizem-me: “Ambos!”. E isto é bonito! Trata-­se de um bonito testemunho!

FonteVaticano